Recomendado, 2020

Escolha Do Editor

O que há em um nome? A loucura na nomenclatura de smartphones

Um grande número de smartphones está sendo lançado todos os dias e muito menos os consumidores normais, até os geeks que acompanham de perto a tecnologia e o gadget estão ficando confusos com seus nomes. Os fabricantes de telefones celulares estão ficando aquém dos nomes de seus dispositivos devido ao grande número de lançamentos todos os anos e ao perigo de serem atingidos por processos legais de direitos autorais e marcas registradas. Este post analisa alguns dos problemas causados ​​pela atual tendência na nomenclatura do Smartphone e fornece sugestões para melhorá-los.

A evolução das marcas e a maldição do marketing

Telefones celulares já foram nomeados com base no fator de forma ou na funcionalidade oferecida. A série Nokia E, por exemplo, era famosa por seus recursos corporativos sólidos, adequados aos usuários corporativos, que ofereciam suporte por E-mail, VPN e outros recursos necessários, oferecendo ainda uma boa duração da bateria. Outro exemplo de nomeação de telefones móveis com base na funcionalidade foi a série Walkman da Sony Ericsson, que prometia aos usuários oferecer uma qualidade musical excepcional. A série Razr da Motorola ficou conhecida por ser excepcionalmente fina, semelhante a uma navalha.

Hoje, os fabricantes de telefones celulares criam submarcas para mostrar sua ideia específica por trás de sua criação. Com base nessa ideia básica das submarcas, eles associam os dispositivos a submarcas relevantes. Mas, em um acúmulo de satisfazer as necessidades dos consumidores com especificações precisas, os fabricantes estão lançando muitos dispositivos para serem associados ou identificados como parte de uma marca. A principal razão para vários modelos com o mesmo nome é a redução óbvia nos orçamentos de anúncios e no esforço de marketing. Com um modelo de letreiro que estabelece o valor de Marcas, os outros modelos podem vender automaticamente usando o valor da marca estabelecido por um modelo.

A Samsung é um excelente exemplo desta abordagem com a sua série "Galaxy", que se relaciona com smartphones com o Android. Os celulares Samsung criaram mais uma subcategoria chamada "Galaxy S", que se refere aos smartphones Android topo de linha com as melhores especificações. A Samsung seguiu as suas regras e lançou um produto Galaxy S todos os anos durante dois anos, mas também foi violado com vários telefones como o Galaxy S Advance e o Galaxy SL, que na verdade não eram os seus smartphones Android mais importantes no momento da sua lançamento. A associação de muitos dispositivos com menos submarcas cria esse problema.

Nomes longos: o título não é o livro

Além da dependência de submarcas, fabricantes como Samsung, Sony e LG usam a funcionalidade como parte do nome do modelo. Quando nomeiam modelos com base em duas ou mais funcionalidades, o nome do modelo começa a se parecer mais com uma lista de recursos. Tome o nome da Samsung

Galaxy Y Lite Duos em que 'Galaxy' se refere a um smartphone Android, 'Y' refere-se ao seu nível de entrada Y-series de telefones Android, 'Lite' refere que é uma versão simplificada do Galaxy Y e 'Duos' mostra o presença de dois slots para cartão SIM. Agora você pode perceber que esse nome de modelo soa mais como uma lista de recursos. Isso cria um problema ao chamar seu nome. Imaginem perguntando ao representante de uma loja que você quer comprar aquele telefone. A Sony e a LG são um pouco preservadas neste tipo de nomenclatura, uma vez que apenas dão nome às suas versões de telefone dual SIM com o termo "dual", como Sony Xperia Tipo Dual e LG Optimus L3 Dual.

Mudanças Abruptas no Nome

Além de nomear com prazos longos, a Samsung e a HTC também têm o hábito de renomear seus smartphones mais de uma vez antes do lançamento oficial de seus telefones. A HTC renomeou recentemente seu próximo dispositivo Windows Phone 8 com os nomes "Accord" e "Elation" antes de finalmente renomeá-lo como "8X". A Samsung tem um histórico de renomear o telefone após seu lançamento oficial. Lançados pela primeira vez como Galaxy Pocket Duos, eles mudaram o nome para Galaxy Y Duos Lite. Isso porque a marca 'Pocket' não foi muito bem-sucedida e eles queriam associar esse modelo à marca 'Galaxy Y', já que foi um grande sucesso. Até mesmo a Sony Ericsson relançou o Xperia Neo com dois nomes diferentes 'Xperia Neo L' e 'Xperia Neo V', que não tinham nenhuma diferença em recursos. A mudança abrupta pode não impactar o consumidor médio, mas para um aficionado por tecnologia as mudanças podem ser frustrantes.

Nokia, HTC e Sony nomeiam seus smartphones com alfabetos sem sentido, que não têm significado específico para se diferenciar. Apenas observe os nomes como 'Xperia S', 'Xperia T', 'Xperia J', 'Xperia V', 'Um X', 'Um S' e 'Um V'. Eles não são confusos e eles realmente significam alguma coisa? Essas empresas precisam mudar essa estratégia de nomeação para algo que possa ser entendido e tenha algum significado compreensível. A HTC mencionou especificamente que eles “focarão em hardware mais potente e software empolgante com a marca 'One' em 2012”, mas ainda assim eles estão por aí com sua marca Desire lançando modelos de nível básico e intermediário.

Como isso pode ser mudado?

Com os smartphones e os telefones celulares em geral se tornando commodities, os fabricantes de dispositivos móveis podem se beneficiar com a rota FMCG. A Coca-Cola, a HUL e a P & G criaram com sucesso milhares de sub-marcas sem precisar recorrer a abreviações e nomeações repetitivas. Embora o argumento aqui seja que os telefones celulares, ao contrário dos produtos de FMCG, precisam de um envolvimento maior do Consumidor na escolha, a nomenclatura real raramente faz ou desfaz a decisão de compra. Considerando o grande número de produtos lançados pelo fabricante do smartphone, pode ser sensato ter pelo menos 5 marcas Marquee por fabricante. A Sony é, talvez, o único fabricante de smartphones que faz alguns nomes de smartphones verdadeiramente alucinantes. Enquanto a marca global do telefone continua a ser o Sony Xperia. Modelos individuais são nomeados de uma forma bastante singular usando influências gregas, romanas e outras. Nomes como Ion, Tipo, etc definitivamente adicionam um pouco de zing à marca. A Sony também se dedica à cultura da sopa de letrinhas, mas a restringiu apenas aos modelos da marca.

Conclusão

Todo consumidor quer que seu telefone se destaque na multidão. Os usuários querem que o telefone seja uma extensão deles e seja icônico. Nomes de smartphones são uma boa maneira de obter essa impressão por aí. Com o aumento da confusão no mercado de smartphones e com a maioria dos modelos sendo apenas um pouco diferente dos outros, os telefones podem precisar de mais do que hardware para se venderem. Os nomes foram vistos para impactar a indústria automobilística em grande forma e também ajudou o setor de FMCG. Esperemos que a nomenclatura do Madness of Smartphone chegue ao fim e teremos nomes mais inovadores no futuro.

Autor Bio: Este post é escrito por Ashwin Sreekumar Nair, ele trabalha com MySmartPrice.com.

Top